sexta-feira, 26 de maio de 2017

O sonho

Perdeu o sono às 4h da manhã.
Pela sua cabeça passavam as imagens dela, sensuais, quentes, excitantes; aos poucos o sono foi voltando, e, naquele intermédio de vigília, meio dormindo, meio acordado, sonhou (era sonho ou desejo?). Estava com ela, recém saída do banho, do seu corpo emanavam os cheiros característicos: perfume do xampu nos cabelos curtos, do creme hidratante que passeou pela maciez de sua pele, do perfume francês (presente de um namorado apaixonado) atrás das orelhas delicadas,, na nuca, nos pulsos; inebriante! Ela está recostada na cama, o corpo displicentemente envolvido em uma toalha macia e felpuda, olha para ele e sorri, os dentes brancos, perfeitos, ele se aproxima, mas não a toca, simplesmente olha, como se quisesse sorvê-la por inteiro. Primeiro olha para o rosto suave e delicado, os olhos que brilham num desafio zombeteiro para que a decifre, o nariz reto e bonito, a boca carnuda num simulacro de beijo; ela se move, a toalha escorrega, revelando seios redondos, túrgidos, as auréolas bem definidas cercam os bicos dos seios excitados apontando como se dissessem: estamos aqui, venha nos acariciar! Ele sente o desejo de tocá-los,numa carícia suave com a ponta dos dedos, quer beijá-los, morder de leve provocando, passar a língua rodeando o mamilo até doer de excitação!
Ela move-se mais uma vez, a toalha sobe e ele pode ver as coxas roliças, bronzeadas pelo sol do verão. No ângulo em que se encontra, pode ver apenas o começo do monte de vênus, redondinho, cercado de cabelos curtos, como se fosse um soldado com cabelo à escovinha a proteger seus segredos macios e úmidos. Ele acorda e sorri pensando... queria continuar sonhando!

domingo, 1 de janeiro de 2017

Virada de ano!

31/12 - Dilúvio em Ijuí, pancadas extensas e de grande volume durante o dia, causaram transbordamentos nos arroios canalizados que passam pela cidade, ao lado da precipitação anormal há uma administração do município que não se preocupa muito em resolver o problema das inundações nas ruas e nem fazer prevenção; 30 anos de um mesmo partido administrando a cidade dá nisso.

Temos 3 cães, os dois maiores no pátio e a menorzinha dentro de casa, com o começo dos fogos ontem à tarde achei curiosa a reação dos cães; a pequena Bebê(peludinha branca e preta) foi pra sua caixinha e ali ficou, a cadela Preta (mistura de pitbull com viralatas) se recolheu pra sua casinha e estoicamente aguentou o tiroteio (de vez em quando latia um pouco), já o Grandão (pastor alemão) ficou agitado, latia e gania (chorava) olhando para porta da casa como a pedir socorro, resultado: D.ª Mônica condoeu-se e trouxe o "bichinho" pra dentro! Como ele estava todo molhado e sujo de barro precisou ganhar um banho, com direito a xampu e secador  de cabelos, ô vida boa! Então começou a gincana, Grandão, como o próprio nome diz, é um cão de grande porte, andou pela casa cheirando a tudo e a todos, móveis, objetos, a gata Chica, a caturrita Cocota, a cadelinha Bebê, enquanto andava batia a cauda em tudo, descobriu onde havia comida e comeu a comida da Bebê, a comida da Chica e só não comeu a comida da Cocota porquê girassol não faz parte da sua dieta alimentar. Tínhamos que estar atentos para que ele não "marcasse  o território" mijando nos cantos; da mesma forma que Bebê e Chica andam atrás da Mônica  o tempo todo, o Grandão também fez, então, se ela saia do quarto e ia pra cozinha, lá ia a procissão atrás dela, como um comprido rabo peludo com várias patas e cores! 
Hehehehe!

Retrospectiva 2016: Ano de extremos! No pessoal não posso me queixar, construímos nossa casa praticamente com capital próprio (anos economizando) apesar de o terreno ser financiado, pude ajudar meus filhos (dentro do possível), a Mônica pôde sair do emprego e está melhor, pra ver meus netinhos mais novos só preciso atravessar a rua, em tudo dou graças a Deus!
Já a faceta profissional ligada à política: "Mein liebe got!" Que ano lazarento, só andamos pra trás; no município um partido a várias décadas domina a governança, quando estão fortes dispensam coligações, quando se sentem fracos coligam-se conseguem vencer, a cidade não cresce, poucas indústrias e um comércio pouco imaginativo; dependemos da universidade e dos hospitais pra termos alguma receita.
No estado, o desastre anunciado, previsto e avisado mil vezes que ia acontecer não impediu que a maioria hipnotizada pela mídia elegesse um político profissional tão matreiro quanto incompetente e mal intencionado! O resultado está aí pra quem quiser ver, salários do funcionalismo congelados, indústria e comércio em recessão aberta, falta de segurança, caos na saúde, na educação, e, pra completar privatizações e extinção de empresas, fundações e entidades estaduais pelo culto ao estado mínimo, o grande objetivo do PMDB na governança. Êh lasqueira!
No âmbito federal é pior ainda, tiraram uma presidenta honesta e colocaram um bando de ladrões no lugar, a justiça acoberta tudo e ainda ajuda a perseguir o PT, mas o pior é o retrocesso em todos os sentidos nos direitos e benefícios do cidadão.
De tudo só nos resta a esperança de que as coisas melhorem, algum dia! Hasta!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Conversando

Hoje minha filha e os netos M.ª Fernanda, M.ª Paula e Davi atravessaram a rua e vieram nos visitar, conversamos, tomamos mate, os pequenos soltos pelo piso da cozinha.
Lembrávamos de coisas de escola deles (filhos) e minhas; que professores nunca esquecemos, quem aprontava no colégio e assim por diante.
Minha neta vai estudar na mesma escola (Escola Técnica Parobé - POA) onde me formei Técnico Mecânico, profissão que até hoje põe o pão na minha mesa. Mas vamos aos professores que não esqueci: Dulce Centeno, alfabetizadora, baixinha, gordinha e elétrica, a mulher que me introduziu ao mundo maravilhoso das letras,  me ensinou o Bê a Bá e os primeiros números; eu a adorava de forma incomensurável, tanto que, ao passar para o 2º ano primário  não aceitei a nova professora pois pra mim só existia uma, a profe. Dulce. Isso, durante um mês causou um transtorno considerável pois todos os dias eu ia para o castigo e estava levando a professora à loucura me recusando terminantemente a fazer o que ela mandava. Ao final de um mês chamaram minha mãe e reunidas (Diretora, Profª Dulce, Profª do 2º ano e Dª Mimi) traçaram as estratégias para fazerem o rebelde renitente( eu!) voltar aos trilhos. A tática foi escalar Profª Dulce para tentar me convencer a aceitar a nova professora, todas deram um pitaco, e por ultimo Dulce docemente me explicou que assim era a vida, pra frente é que se anda, as coisas mudam e que eu obedecesse à nova professora e eu iria ver que ela era boazinha também. Me convenceu, daí pra frente tudo correu bem!
Viviane lembrou do colégio da freiras onde estudou, havia lá uma freirinha magrinha, ministrava matemática e dizia que quem tivesse alguma dificuldade era só pedir que ela ajudava, boa alma era ela! Mas havia um problema; o cheiro intenso de cebola no hálito e embaixo dos braços, todos os que pediam ajuda ela se aproximava para explicar e envolvia a vitima naquele odor sufocante de cebola enquanto tirava detalhadamente a dúvida da criatura. Todos pediram ajuda uma vez só!
Como continuaram a ter dúvidas tiveram que combinar uma tática para driblar o budum obtendo a explicação, e, assim, todos levantavam a mão e pediam pra caridosa freirinha explicar a dúvida no quadro mesmo pois assim todos entenderiam! No final do ano, despedindo-se dos alunos a ela deve ter estranhado que os alunos a abraçavam e rapidamente se afastavam.
Nos anos iniciais tive dificuldade com matemática, o problema persistiu até que eu chegasse à faculdade. Na universidade o 1º semestre era chamado de básico (uma revisão caprichada de português e matemática, além de outras matérias), O professor de português de sobrenome Furasté (auto denominava-se o Furastezão, para engulhos das garotas da turma), magro, narigudo, feio que nem congestão de torresmo, porém com conhecimento considerável da matéria, apostava (turmas de 50 alunos) pagar um churrasco para a turma toda se alguém acertasse todas as 20 palavras que ele iria ditar, em caso contrário pagariam para ele na churrascaria que ele escolhesse! Palavras com dois ss, ç, rr e assim por diante. Consta que nuca pagou pros alunos.
Matemática eu não lembro o nome da professora, foi o semestre mais produtivo para mim, coisas básicas que eu não conseguia entender clarearam (acho que era a forma com que ela explicava, sei lá) e fiquei com média altíssima e tive bem menos problemas daí pra frente. Ainda há outras lembranças que irei postar em outro dia. Hasta!

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Maria Aparecida Franco Góes – Carta aberta a Aécio Neves



Maria Aparecida Franco Góes – Carta aberta a Aécio Neves

Meu nome é Maria Aparecida Franco Góes. Sou professora aposentada pelo estado de Minas Gerais. Trabalhei durante 32 anos fazendo aquilo que eu mais desejava: formar pessoas de caráter. Falhei muitas vezes, assim como todo mortal. E hoje carrego comigo a lição mais importante que aprendi nesses anos todos: SEMPRE APRENDER COM O ERRO! O ERRO DE HOJE PODE SER A CHAVE PARA O SUCESSO DE AMANHÃ.
Tive uma infância pobre e simples. Nunca fiz papel de vítima perante a vida e a sociedade. Cresci,estudei,me formei e conquistei tudo que tive graças ao meu esforço pessoal. Na cidade que escolhi viver, nunca precisei de cabide de emprego público e, tampouco de favores de políticos locais ou estaduais. Apesar de meu cargo ser considerado público, eu o conquistei por merecimento. Passei em um concurso e conquistei o quarto lugar.

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que sempre fui sua eleitora. Votei várias vezes em V.Ex.ª, inclusive nas últimas eleições de 2014. Portanto, me poupe de ser taxada como petista, petralha, comunista ou qualquer outro adjetivo semelhante.
Nós perdemos as eleições meu caro Aécio. Eu fui uma das mais de 51 milhões de pessoas que votaram em V.Ex.ª. Eu também amarguei o sentimento de fracasso junto com V.Ex.ª.
A única diferença entre nós dois é que eu consegui aceitar esse contratempo, enquanto V.Ex.ª transformou todo esse episódio de derrota em raiva, ódio, mágoa, despeito e hipocrisia.
Nosso país tem tomado alguns rumos que, talvez, não sejam os melhores. Algumas decisões da equipe econômica da presidente Dilma Rousseff tem sido precipitadas e, certamente estão em desencontro com tudo aquilo que ela pregou durante a campanha de 2014.
Mas isso é motivo para o comportamento agressivo, mesquinho, egoísta, individualista e infantil que V.Ex.ª tem manifestado diante da mídia e das redes sociais?
Qual a proposta que o senhor tem a oferecer para ajudar a conter atual crise política e econômica pela qual o meu país está atravessando?
Aliás, quais são as propostas que V.Ex.ª tem apresentado, como senador, ao meu estado de Minas Gerais durante esses últimos quatro anos?
Que tipo de contribuição social V.Ex.ª ou o seu partido (que já não é mais o meu partido) tem dado às pessoas pobres desse imenso Brasil ?

Eis o ponto a que chegamos - Texto de Maurício Carpinejar

Por: Carpinejar
15/09/2015 - 06h01min

Nunca vi tanta gente do bem dizer que pretende sair do Rio Grande do Sul e morar em outro Estado. Experimentamos uma semana farroupilha ao contrário.
E não são desertores, são sofredores, são desesperados, que não aguentam 40 homicídios num final de semana, não aguentam a soltura de bandidos assim que são presos por falta de condições nos presídios, não aguentam comerciantes morrendo com bala perdida quando vão levar seu cachorro para passear de noite, não aguentam óbitos violentos de adolescentes por motivo banal, em nome de um celular ou de um tênis, não aguentam brigadianos e policiais circulando em subcondições, sem um vencimento que honre a insalubridade da profissão, cansaram da esperança, não aguentam o abandono das ruas e dos parques, não aguentam os buracos das estradas, não aguentam a ansiedade e o nervosismo quando os filhos demoram a retornar ao lar, não aguentam as más notícias nas patas dos quero-queros.
Nossa alma pilchada está cada vez mais pichada de frases de protesto.
Nossas tragédias são modelos para toda terra.
O orgulho de ser gaúcho foi ferido. Falar o que de bom daqui? Como exaltar o turismo se não há como sair em segurança de casa?
Antes, os professores faziam greve para aumentar os seus pequenos salários, hoje estão fazendo greve para manter os seus pequenos salários. Os tempos se agravaram. Manter o emprego é a única promoção que existe. O governo não poderia ter parcelado o salário do funcionalismo, ainda mais num Estado absolutamente familiar, absolutamente centrado na proteção familiar. Ele não constrangeu categorias profissionais, deixou de ser uma negociação com sindicatos, feriu a todos, baqueou o coração da família gaúcha.
Os servidores precisam mendigar o que merecem por direito para sustentar as suas crianças. Obrigações desandaram em reivindicações. Não houve mobilização civil e popular que preparasse o ambiente para uma crise, e sim decretos, em que benefícios foram suprimidos de repente. O funcionalismo virou uma horda de indigentes assalariados, voluntários forçados a seguir sem nenhuma palavra de afeto, condenados a tomar um veneno amargo diante da inexistência de bula. Trabalhar para quê? Como trabalhar sabendo que aquilo que está ruim tende a ficar pior? Ter ou não ter emprego não garante mais nada no final do mês. Estamos à mercê da roleta-russa da arrecadação.
Pois receber o valor do contracheque um mês depois, em parcelas a conta-gotas, apenas cria juros, empurra empréstimos goela abaixo e termina por criar um pânico financeiro.
Óbvio que haverá redução drástica do consumo, e aumento do endividamento. O salário atrasado não mais cobrirá despesas, e sim dívidas. Como alguém conseguirá atender as demandas fixas domésticas, irredutíveis, implacáveis com R$ 600?
O próprio governador dá o exemplo negativo: já que ele mesmo não paga as suas despesas e contraria as suas obrigações com a União.
Sirenes, apitos, buzinas, greves, protestos, passeatas e trânsito interrompido... Nem mais escutamos os sinos das igrejas avisando do meio-dia e da hora do almoço.

sábado, 12 de setembro de 2015

Dilma e a corrupção na Petrobras


Dilma e a corrupção na Petrobras
Se for possível, esqueça por alguns minutos todos os adjetivos e piadinhas, toda indignação seletiva dos que governaram o país por décadas e o transformaram na sociedade mais desigual do planeta, todas as manchetes escandalosas, esqueça as frases de efeito dos jornalistas que garantem seus empregos pensando exatamente como o patrão manda, os comentários dos seus amigos e colegas ressentidos pela ascensão social dos mais pobres, esqueça por alguns segundos o nosso racismo, nossa centenária indiferença com os miseráveis, nossa cordial tolerância com as injustiças sociais, nossa cômoda aceitação da existência de uma multidão de pobres dispostos a fazer o trabalho pesado por salários irrisórios, deixe de lado nossa ancestral complacência com a corrupção - que começa com a carta de Pero Vaz de Caminha pedindo ao Rei um emprego para um parente e vem até ontem, quando você aceitou pagar menos por um serviço sem recibo ou ofereceu um troco (ou um milhão) para o fiscal não lhe multar -, esqueça tudo isso por um breve instante e pense nos fatos.
1. O golpe civil-militar de 1964, que jogou o Brasil numa ditadura cruel que durou 25 anos e foi planejado e executado (hoje todos sabem) pelo governo americano e segundo interesses das grande empresas americanas, foi apoiado por pessoas de bem como você, que acreditavam no que diziam os jornais da época (os mesmos de agora), e queriam combater a corrupção na Petrobras e impedir as práticas comunistas do governo eleito.
2. Em 1989, ano que marca a volta da democracia com eleições diretas para presidente, o jornalista Ricardo Boechat foi premiado por denunciar a corrupção na Petrobras.
3. Em 1995 o jornalista Paulo Francis denunciou a corrupção na Petrobras e, por isso, foi processado.
4. Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso acabou com o monopólio da Petrobras na exploração do petróleo brasileiro e criou o sistema de concessão, que favoreceu as grande petroleiras americanas. FHC também editou a Lei n° 9.478, que autorizou a Petrobras a se submeter ao regime de licitação simplificado, na prática permitindo que a empresa contratasse fornecedores sem fazer concorrências públicas. Para o jurista Celso Antônio Bandeira de Mello, esse foi o momento em que "o governo Fernando Henrique colocou o galinheiro ao cuidado da raposa".
5. Segundo o depoimento dos delatores premiados da Lava Jato (Pedro Barusco e outros) e segundo a denúncia do Ministério Público, foi em 1997 que esta quadrilha (Paulo Roberto Costa, Youssef e turma) começou a roubar a Petrobras.
6. Durante o segundo mandato de FHC, o Ministro da Justiça - e, portanto, chefe da Polícia Federal - era Renan Calheiros (PMDB).
7. Em 2009, com a descoberta das gigantescas reservas do pré-sal, o governo Lula anunciou mudanças na lei de exploração do petróleo, favorecendo a Petrobras. As petroleiras americanas, Chevron, Shell, Exxon e a inglesa BP, ficaram de fora. Em telegramas revelados pelo Wikileaks e publicados pela Folha de SP, o candidato tucano José Serra garantiu aos representantes da Chevron que, se eleito, voltaria ao sistema anterior. Desde então Serra e o PSDB vem defendendo o modelo de concessão e os interesses americanos no petróleo brasileiro.
8. A quadrilha de Youssef e Paulo Roberto Costa começou a roubar em 1997, roubou a Petrobras durante o segundo mandato de FHC, durante todo o governo Lula e nos primeiros anos do governo Dilma. Entre os beneficiados com o esquema milionário estão empresários e políticos de todos os partidos, especialmente do PP e do PMDB, mas também do PT, do PSDB, do PSB e outros.
9. Em 2013 Dilma sancionou a lei 12.846 que definiu como corruptores tanto as pessoas físicas como as pessoas jurídicas. Graças a esta lei, pelo menos oito empresas tiveram executivos presos: Camargo Corrêa, Odebrecht, OAS, UTC, Engevix, Iesa, Queiroz Galvão e Mendes Júnior. A lei sancionada por Dilma pode render a condenação criminal dos sócios e executivos e pune as empresas com multas que variam de 0,1% a 20% sobre o seu faturamento. Foi com este temor que os milionários presos fizeram suas delações premiadas.
10. Dilma indicou e reconduziu ao cargo o Procurador Geral Rodrigo Janot, que investiga a corrupção na Petrobras e já indiciou muitas pessoas. (Bem diferente do que fazia o engavetador geral da república no governo FHC.)
11. A Polícia Federal, durante o governo Dilma, levou a cabo a Operação Lava Jato, que prendeu e desbaratou a quadrilha de Youssef e Eduardo Costa, que roubava a Petrobras desde o governo de FHC, atravessou o governo Lula roubando e bateu no poste no governo Dilma. Entre os investigados, com fortes indícios de terem recebido dinheiro sujo, estão Renan Calheiros (ministro da Justiça e chefe da Polícia Federal de FHC) e Eduardo Cunha (PMDB), atual presidente da Câmara, com um longo histórico de envolvimento em falcatruas de toda espécie.
A corrupção na Petrobras é antiga, no Brasil é ancestral, e os ladrões de dinheiro público, de qualquer partido ou governo, devem ser severamente punidos e, isso é importante, devem devolver o dinheiro que roubaram aos cofres públicos, mas repassando esta lista de fatos, todos incontestáveis, você ainda acha que há algum sentido em pedir, com o pretexto de combater a corrupção na Petrobras, a saída de Dilma para entregar o governo a Renan Calheiros e a Eduardo Cunha?
Você não acha bem mais provável que, sob o pretexto de combater a corrupção, eles queiram que a Dilma saia para atender interesses poderosos e voltar a roubar, como sempre fizeram?

Jorge Furtado

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

José Ivo Sartori - Conhecido como o Polentón - Parte II - A Greve

Cá estamos novamente, de volta da assembléia geral da categoria-CPERS, da declaração de greve, da unificação com todo o serviço público estadual na greve, e da retaliação por parte do governo.
Assembleia do CPER - 18000 professores (estimativa minha)

Assembleia Unificada - 30000 servidores (estimativa da Brigada Militar)

O governo queria esta greve, assim poderá, alegando a insurgência dos funcionários, cortar o ponto (já fez) para não precisar pagar os salários, poderá demitir alguns (não todos porque já há falta de pessoal), e poderá argumentar que para cumprir com as despesas do estado só vendendo o (que restou) do patrimônio público. O pulha está seguindo direitinho a cartilha!
O que vai ficar difícil é explicar/justificar como vai fazer isto, pois é esse justamente o motivo de todo esse levante que está havendo contra o seu (des)governo!
Sartori, o "polentón", é da pior laia entre todos os políticos, falso, covarde, interesseiro, sustentado e apoiado justo por quem deveria combater, os grandes sonegadores,a mídia corrupta e golpista, os grandes empresários que financiaram a sua campanha. Observando a fala do sujeito ao final da tarde de ontem, é possível ver o quanto de cinismo tem na argumentação, "todos sabem das dificuldades que temos para manter o pagamento dos servidores em dia, inclusive "cortamos na própria carne" para poder fazê-lo".
Carne de quem, cara pálida? Por acaso seu salário não foi aumentado? Os deputados não tiveram seus salários aumentados? Os secretários de estado não tiveram seus salários aumentados? Sua esposa não foi nomeada para um alto cargo pelo senhor? Os CC´s nomeados pelo senhor às centenas com gordos salários? Todos estes não são pagos religiosamente em dia, chova ou faça sol? O judiciário (intocável), não teve aumento e seus salários não são pagos em dia?
Quem de fato está sendo cortado na carne? O bode expiatório de sempre, os mais fracos nesta cadeia, os que terão seus salários arrochados por 4 longos anos, os que terão suas reivindicações jogadas para as calendas (sim existe uma pauta de reivindicações buscando corrigir as deficiências em todas as áreas ). Mas isso o desgoverno finge ignorar, cria  a situação do "bode na sala" através do atraso/não pagamento de salários e depois vai para a imprensa dizer que "não existe motivo para a greve", uma vez que o salário já foi pago. Só foi pago depois que o STF chamou o indivíduo "na chincha" ameaçando-o de prisão e intervenção no estado, aí ele pagou! Esse tipo de declaração marota/mal intencionada leva a opinião pública a pensar que somos um bando de mercenários, já que o "coitadinho" tá se rasgando para pagar o salário desses ingratos que, mal agradecidos, ainda fazem greve. Sartori, (des)governador, nós paramos não foi só pelos salários (problema que você criou), paramos por uma pauta inteira de reivindicações que o senhor faz de tudo para esconder/ignorar, paramos porque não queremos a sua utopia do"estado mínimo", paramos porque não queremos a falta de segurança, a falta de atendimento a saúde, a destruição de entidades de pesquisa, a destruição da educação como um todo, paramos porque não aceitamos esse seu "mimimi" de que não há condições financeiras para manter como está; isso é conversa de uma pessoa despreparada para governar o estado, isso é conversa de pessoa tosca, obtusa, subserviente e mal-intencionada, palavra de quem quer vender as empresas que restaram a preço de banana para seus queridos financiadores de campanha.
O único ponto positivo neste imbróglio todo foi que houve uma inédita união de todos os ramos dos servidores do estado contra você, Sartori!  Conselho de amigo: Já que você se mostrou totalmente incompetente para gerir o estado com sobriedade e sabedoria, faça o seguinte: PEGA TEU BONÉ E PEDE PRA SAIR porquê  NEM OS QUE VOTARAM EM VOCÊ TE AGUENTAM MAIS!